Notas do meu cantinho: Danças Populares

Os picoenses eram um povo isolado, que só ia às cidades na época do verão fazer os seus negócios de frutas e lenhas, pois a ilha pouco mais produzia. Durante o inverno tecia nos teares o seu o principal vestuário e fazia meias de lã.  No entanto, nos serões de inverno, naquelas noites em que o trabalho era “posto de parte, porque ou eram dias de descanso, ou de festas familiares, organizava-se as “folgas”, com a velha viola de cordas de arame e aí bailavam as “chamarritas” e os “bailes de roda”. Mais tarde, apareceram os pianos nas casas solarengas, mas nestas, raramente, havia aquelas distrações. Era o povo que melhor se divertia nos serões ou Folgas que chegaram a nossos dias e que arrastavam bailadores entusiastas dos mais distantes lugares. Improvisavam quadras e cantavam “ao desafio”.
Hoje, porém, recordo outros divertimentos. Trago à liça as Danças Populares que se exibiam, principalmente, nos arraiais.
Também por cá as houve, não em tempos muito remotos.  Eram diferentes das actuais. Não se limitavam à coreografia dançante, mas havia sempre um argumento a desenvolver. Fosse um namoro que envolvia certo escândalo, fosse uma comédia hilariante. Tudo servia de motivo para se organizar a dança, porque nela se dançava nos intervalos dos diálogos. E trajava-se a rigor. Não era qualquer fantasia que servia para se utilizar numa dança. Ainda hoje se fazem danças na Terceira e São Miguel. Até mesmo no Continente, onde têm fama as marchas de Santo António. Mas limitam-se quase só à dança e usam trajes uniformes, executados a rigor pela Alta Costura.
Na ilha do Pico, pela Páscoa, saíam algumas danças, duas ou três, quando muito. E tinham os seus personagens tradicionais: o “Velho” que andava pela assistência a angariar os indispensáveis donativos para as despesas, o comandante, os “actores principais” e os “casais” componentes do entremês. Estou a reportar-me ao primeiro quartel do século passado.
Lembro duas danças que me ficaram na memória: uma “a dança dos picões”, que saiu nas Lajes, pela Páscoa, comandada pelo Manuel Martiniano; a outra dança, bem organizada, com um argumento bem concebido, trajando a rigor, veio da freguesia de São Mateus, creio que pelo Espírito Santo, se a memória não me falha. No grupo só havia elementos do sexo masculino, mas uma parte trajava-se de feminino e caracterizava-se e maquilhava-se como se jovens mulheres fossem, o que não deixou, por vezes, de causar certos equívocos e situações hilariantes.
Normalmente, o argumento era agradável e a execução perfeita, pelo que o grupo atraía, por onde passava, uma assistência numerosa e interessada.
A dança de São Mateus percorreu a ilha e em toda a parte, se não erro, foi bastante aplaudida. Uma das danças que, naqueles recuados tempos, teve êxito mais assinalável.
Mais tarde apareceram, de outras freguesias, algumas danças, mas de não tanto interesse, quer pela exibição quer pelo trajar.
As danças populares eram autêntico teatro de rua. Exibiam-se em praças públicas. Não cobravam “bilhetes de presença”, mas nem por isso deixavam de recolher donativos suficientes para as despesas de organização, trajes, transportes e estadias nas localidades. O povo delirava, quando tinha notícia da chegada de uma dança, e os arraiais onde se exibiam parece que duplicavam a assistência.
Como atrás referi, não havia outros divertimentos populares, pois as “folgas” limitavam-se a recintos particulares e, por vezes, de espaços limitados. O teatro de amadores era raro e os recintos onde se exibia, também acanhados, não permitiam grandes assistências. Aqui e ali chegou-se mesmo a fazer teatro ao “ar livre”, sem cobrança de entradas, mas somente com a recolha de donativos, o que se tornou um sistema vulgar.
Era no tempo de Quaresma que todos estes divertimentos se preparavam e ensaiavam para se apresentarem ao público, quase sempre, do Domingo de Páscoa ao Espírito Santo.
Em vez das danças, surgiram as “Marchas”; as de Sto. António, em Lisboa, de São João, em Vila Franca do Campo, as Sanjoaninas, em Angra, e outras mais.
No entanto, o que mais se divulgou foi a Televisão. Cada qual utiliza a TV no canal que escolhe, para “assistir” aos jogos de futebol, às telenovelas, ao teatro, a revistas e ao fado (mais raro)...
Hoje, os serões não são de melhor qualidade. No entanto, são maneiras novas de ocupar os finais do dia. Valha-nos ao menos isso.

Vila das Lajes