Notas do meu cantinho - Maio florido

Outrora o mês de Maio era o mês “de encanto e de flores”. Estava-se em plena Primavera e os campos apresentavam um ar festivo com encantos mil. Os tempos vêm mudando e hoje não se vêem árvores verdejantes nem flores mimosas por essas encostas e nos pequenos jardins das residências.
“Mês de encantos e de flores/Maio ditoso floriu...”
Na Igreja, o mês era dedicado à Virgem e, em todas ou quase todas as paroquiais, um grupo de jovens, normalmente de meninas, preparava-se para acompanhar a devoção diária ante a Imagem de maior devoção, com uma assistência fora do comum.
Não eram somente as chamadas “beatas” de missa diária, mas muitas outras pessoas, devotas da Mãe de Deus.
Cantavam-se variados cânticos, que a apologética devocional era muito variada e alguns cânticos eram de uma beleza musical fora do comum.
Havia quem fosse à igreja, somente no mês de Maio, para ouvir os belos cânticos que o coro apresentava diariamente, normalmente novos e com belas melodias.
As igrejas eram excelentemente decoradas com as mais belas flores da época, principalmente rosas das mais variegadas cores e com aromas estonteantes, que se espalhavam por todo o templo, grande ou pequeno. Flores, afinal, que eram trazidas dos campos ou, principalmente, dos pequenos jardins que, normalmente, todas as casas possuíam. E se não existiam jardins delimitados, havia roseiras brancas, vermelhas, cor-de-rosa, amarelas, que todos tinham o prazer de cultivar, até nos cantos dos quintais ou até nas encostas das habitações, e que, naquele mês, levavam à sua igreja, em homenagem à Senhora do Rosário, Nossa Senhora de Lourdes, Senhora da Piedade, Mãe de Deus, ou Senhora da Alegria e, mais recentemente, Nossa Senhora de Fátima. Embora os títulos fossem diferentes a devoção era a mesma e sempre crescente,
Que belos eram os jardins públicos das cidades açorianas. Lembro o de Angra, na minha distante juventude, onde existia um variado roseiral de variegadas cores e qualidades, que tornava aquele magnífico recanto um local ameno onde apetecia ficar, à sombra das frondosas árvores e num ambiente aromático. Cuidadoso e hábil era o respectivo jardineiro para cuidar daquele verdadeiro oásis, onde os angrenses se deleitavam nas tardes de Primavera e Estio. Os jardins das outras cidades do Arquipélago não cheguei a conhecer, nessa época de saudosa memória.
Mercê dos altares cuidadosamente floridos e dos perfumes que evoluíam das flores que os engalanavam, as igrejas açorianas alimentavam ambientes místicos, onde a fé dos crentes rejuvenescia, no exemplar espírito religioso que neles se sentia e a todos atraía. E ainda hoje…
A Liturgia actual, principalmente a resultante das reformas introduzidas pelo Concílio Vaticano II, trouxe algumas modificações à prática religiosa. Deu-se mais importância à Missa ou Eucaristia, como é natural, mas as celebrações só têm lugar quando há sacerdotes, o que, infelizmente, na ilha do Pico nem sempre acontece. Basta considerar que, para cerca de vinte paróquias, existem seis ou sete párocos, quando, antes daquelas reformas, todas as paróquias e até os curatos estavam providos de párocos residentes e, por vezes, também de curas. Mas os tempos mudaram. As vocações diminuíram e não poucos membros do sacerdócio pediram escusa...
Estamos no mês de Maio. Verdade que os tempos são outros. As invernias são mais prolongadas. Tudo é diferente... Até o mês de Maio tem sido algo invernoso. Não é o mesmo de outros tempos, quando belos coros cantavam devotamente à Virgem:
Mês de encanto e de flores,/ Maio ditoso findou.../ Mas não cessem os favores,/Que seu carinho outorgou!

Vila das Lajes do Pico,
Maio de 2017