Livro sobre desastre aéreo em Santa Maria com versão inglesa e novas entrevistas a peritos

Livro Francisco Cunha - versão inglesaO livro “IDN 1851 – O Desastre Aéreo de Santa Maria”, da autoria de Francisco Cunha, sobre aquele que foi o maior acidente de aviação em Portugal, já está disponível em versão inglesa.

Para já, a obra em inglês estará apenas disponível em versão digital, no portal Amazon.com, estando também a edição portuguesa disponível para aquisição no mesmo site, em formato Kindle.

Segundo é avançado em comunicado, a par da tradução e adaptações normais para uma versão em inglês, o livro contém ainda algumas actualizações, tais como novas entrevistas com Jim Krieger, perito em Controlo de Tráfego Aéreo, Richard Marquise, agente especial do FBI, e os peritos em Factores Humanos Malcom Brenner e Barry Strauch, tendo este último tomado parte na investigação ao acidente como representante do NTSB americano. 

Presentemente, o autor está a reunir informação para um novo livro, sobre outro acidente aéreo ocorrido nos Açores. 

A obra, cuja versão original foi lançada em Setembro de 2016, parte dos eventos de 08 de Fevereiro de 1989, quando o voo 1851 da companhia “charter” americana Independent Air se despenhou no Pico Alto enquanto preparava a aterragem em Vila do Porto, perdendo a vida todos os 144 ocupantes, a maioria turistas italianos que iam de férias para a República Dominicana.

Dedicando grande parte do seu conteúdo a uma investigação às causas do desastre, o autor contou com acesso ao inquérito oficial e a colaboração do seu responsável, o engenheiro José Rocha e Cunha, a par do contributo de outros peritos, notavelmente o comandante John Cox (presença regular no programa “Mayday” da National Geographic) e o engenheiro Frank Taylor, do britânico AAIB - Aircraft Accident Investigation Branch.  

Com recurso a documentos oficiais – alguns inéditos - ilustrações técnicas, mapas, entrevistas e fotos, Francisco Cunha explica, “num texto fluido, conciso e completo”, os motivos que levaram ao acidente, culminando numa reconstituição dos momentos decisivos que ditaram a tragédia. 

Nascido em Ponta Delgada, Francisco Cunha tem 32 anos e é licenciado em Comunicação Social. 

Desde 2007 colaborou com os jornais Açoriano Oriental, Correio dos Açores, Atlântico Expresso, Expresso das Nove e nas revistas Açorianíssima e Açores, incluindo ainda o seu currículo trabalhos em sites estrangeiros dedicados ao desporto motorizado.

 

Mais Lidas nos últimos 3 dias

Exportamos menos peixe fresco no ano passado
terça, 19 fevereiro 2019, 00:00
Vem aí mau tempo com chuva e rajadas de vento
terça, 19 fevereiro 2019, 00:00
Ministro da Defesa hoje nos Açores
terça, 19 fevereiro 2019, 00:00