Artigos

Livre: Partido quer tornar a agropecuária e silvicultura europeias autosuficientes

José Azevedo - biólogoO Livre garante que irá bater-se em todas as instâncias da UE por medidas que assegurem a segurança alimentar e o bem-estar dos agricultores, ao mesmo tempo que reduzam a agropecuária intensiva, em prol de uma agricultura ecológica e de pequena escala, guardiã da biodiversidade e realizando o seu potencial de combate ao aquecimento global.

De acordo com o Livre, “os Açores estão presos em condicionalismos financeiros que moldam o desenvolvimento da agropecuária regional, com graves repercussões ambientais e sociais”, considerando que a “aposta em métodos intensivos e virados para a exportação é apontada como uma necessidade e um contributo importante para a solução dos problemas económicos regionais”. Entende o Livre que “o papel da União Europeia, nesta visão, é o de apoiar a importação dos factores de produção (fertilizantes, pesticidas, elementos para as rações), complementar o rendimento dos agricultores e subsidiar as exportações. Os incentivos à agricultura ecológica são tímidos e os produtores têm que competir com poucas ajudas num mercado agressivo, de consumidores com baixo poder de compra”.

Neste sentido, o candidato do Livre às Europeus garante que irá “exigir um investimento nos agricultores e silvicultores como guardiães da terra e dos ecossistemas, mudando as práticas agrícolas para as tornar sustentáveis e restauradoras dos ecossistemas e da biodiversidade”, adiantando que começará “por alinhar a PAC com outras políticas como as Directivas Aves e Habitats, a Directiva Quadro da Água, a Directiva Nitratos, a Directiva de Uso Sustentável de Pesticidas, a Directiva de Redução das Emissões de Poluentes Atmosféricos e a Directiva-Quadro da Estratégia Marinha”.

Para além disso, assegura, “promoveremos um desvio da agropecuária intensiva em grande escala no sentido de práticas sustentáveis e de pequena escala, nomeadamente redirecionando os subsídios da CAP para agricultura ecológica e permacultura e para a investigação sobre estes temas”.