Bispo de Angra pede aos católicos que cumpram regras ditadas pelas autoridades de saúde

bispo de Angra 1O bispo da Diocese de Angra pediu aos católicos dos Açores que cumpram as orientações determinadas pelas autoridades regionais de saúde, face à pandemia de Covid-19.

“Se não há qualquer lei que impeça a deslocação das pessoas para uma celebração religiosa, não seremos nós a impedir que elas possam participar. O que pedimos é que os cristãos sejam os primeiros a dar o exemplo, isto é, que respeitem as regras que estão em vigor desde Maio passado”, referiu D. João Lavrador, em declarações ao portal diocesano Igreja Açores.

O responsável católico destaca que, na Diocese de Angra não haverá uma orientação geral, dado que a realidade é “muito diversa de ilha para ilha”.

“A situação é muito grave em São Miguel, e tal como o Governo adaptou as decisões em função da realidade de cada ilha e de cada concelho, também nós na Diocese o fizemos”, realçou.

D. João Lavrador sublinha que se deve fazer tudo para “evitar aglomerados de pessoas”.

“Naquelas situações, como as que existem em São Miguel, nomeadamente nas ouvidorias de Vila Franca e Ribeira Grande, competirá à ouvidoria ou à paróquia averiguar se há situações que ponham em causa a saúde publica, e aí tem que haver restrições e até o cancelamento de todas as celebrações”, acrescenta.

O bispo de Angra desaconselha quaisquer celebrações que “possam concorrer para o agravamento da pandemia”.

“Uma coisa é desaconselhar, outra é proibir. Se há possibilidade de se fazer a celebração e se não está posto em causa o direito de participação nela não vamos cancelar nada. O que pedimos, insisto, é que todos respeitem as regras”, precisa.

A ouvidoria da Ribeira Grande decretou a suspensão de casamentos, batizados e comunhões, mantendo apenas missas e funerais; a ouvidoria da Vila Franca determinou o cancelamento de todas as celebrações até dia 23, bem como o encerramento de igrejas paroquiais e ermidas.

Também a ouvidoria de Vila Franca do Campo determinou o cancelamento de todos os actos de culto até ao próximo dia 23 de Janeiro. Em articulação com as autoridades de saúde da Região, que decretaram uma cerca sanitária à freguesia de Ponta Graça, cuja paróquia pertence a esta ouvidoria, o ouvidor de Vila Franca determinou também o encerramento das igrejas paroquiais da ouvidoria e ermidas.