Escolas mantêm-se fechadas e vão ser criadas equipas multidisciplinares

clelio meneses 2021

O Governo Regional dos Açores anunciou, ontem, que as medidas restritivas aplicadas em São Miguel devido à pandemia de Covid-19 vão prolongar-se até 29 de Janeiro, passando também a existir regras para os funerais.

Quanto às cercas, manter-se-à, por mais uma semana, a de Rabo de Peixe, enquanto a de Ponta Garça termina hoje à meia-noite.

Em conferência de imprensa, em Angra do Heroísmo, o Secretário Regional da Saúde, Clélio Meneses, referiu que a ilha de São Miguel mantém quatro concelhos (mais de metade) com alto risco de transmissão do novo coronavírus (com mais de 100 novos casos por 100 mil habitantes nos últimos sete dias).

Por isso, acrescentou, as medidas restritivas aplicadas, que já estavam em vigor até dia 22, vão prolongar-se até ao dia 29 de Janeiro.

Assim, todas as escolas da ilha vão manter, por mais uma semana, o ensino à distância e haverá recolher obrigatório às 20h00 nos dias úteis e às 15h00 ao fim-de-semana, ainda que com várias excepções, como deslocações por motivos de saúde, para o trabalho e para a compra de bens essenciais.

Os estabelecimentos comerciais vão continuar a encerrar às 20h00, nos dias úteis, e às 15h00, ao fim-de- semana, e os restaurantes a encerrar às 15h00, podendo funcionar em serviço de ‘take away’ ou entrega ao domicílio a partir dessa hora.

Também os ginásios, piscinas cobertas, casinos e estabelecimentos de jogos de toda a ilha vão permanecer encerrados.

Clélio Meneses revelou que foram efectuados até ontem 2.871 em Rabo de Peixe e Ponta Garça, tendo sido detectados 80 infectados.

“Fomos aos locais e isolamos os casos positivos e os contactos próximos,  numa posição pró-activa, se não tivéssemos ido os casos alastravam e ficavam fora de controle”, sublinhou o Secretário, assegurando que a situação em São Miguel está controlada, mas ainda é preciso a colaboração de cada um dos cidadãos.

Nos últimos 20 dias de Janeiro foram realizados 33.434 testes e as cercas são importantes porque está provado que os casos alastram depois para as freguesias vizinhas, adiantou ainda Clélio Meneses.

Revelou ainda que vão ser criadas equipas multidisciplinares com as autarquias, médicos, enfermeiros, assistentes sociais e psicólogos, para actuarem especificamente nos locais de maior risco de contágio, assim como poderão ser encaminhadas para outros alojamentos pessoas que não tenham condições para permanecer nas suas habitações quando infectadas.

Nesses locais de risco serão efectuados testes à população, para que não precisem de se deslocar.

Entre as alterações previstas no novo decreto regulamentar regional que irá definir as medidas aplicadas até 29 de Janeiro, está a criação de regras para funerais na ilha de São Miguel.

“Essa matéria passa a estar expressamente prevista neste diploma, no sentido de determinar a limitação de presenças nas ilhas de alto risco, neste caso apenas em São Miguel, de forma a que se cumpram as distâncias sociais e de acordo com a capacidade dos respectivos espaços. Cada autarquia que tenha a tutela do cemitério determina o número de pessoas que podem estar, sem prejuízo dos parentes mais próximos poderem estar”, revelou Clélio Meneses.

Por outro lado, será “permitida a excepção para exercício de direito de voto” na circulação, a partir das 15h00, na ilha de São Miguel, no próximo Domingo, em que se realizam as eleições presidenciais.

Foi ainda “definida a possibilidade de teletrabalho para um dos progenitores de crianças até 12 anos que estejam em regime de ensino à distância”.

Segundo Clélio Meneses, o levantamento destas medidas em toda a ilha ou em alguns concelhos está dependente da redução do nível de risco de transmissão de alto para médio ou baixo.

“Se 50% ou mais dos concelhos da ilha estiverem em alto risco está toda a ilha. Se forem menos de 50% dos concelhos em alto risco ficam apenas esses concelhos em alto risco e o restante da ilha fica no risco que for adequado à respectiva realidade. E, apenas em situação de alto risco, é que o ensino é feito à distância”, avançou.

Já nas restantes oito ilhas dos Açores, em que o nível de transmissão é baixo, voltará a ser permitido público em espaços desportivos, ainda que com uma limitação a um quarto da lotação.

“De acordo com a análise que foi feita, é mais seguro determinar limites de lotação, que neste caso ficou a um quarto da lotação dos respetivos espaços, em que se cumpre o distanciamento entre os espectadores, do que fazer de conta que não se sabe o que se está a passar em alguns locais, em que as pessoas assistem a esses eventos desportivos em pastagens, em carrinhas, em aglomerados que não garantem a segurança”, explicou o governante.