Presidente da República condecora os açorianos Henrique Aguiar Rodrigues e Padre Manuel da Silveira

Marcelo - jornalistasO Presidente da República atribuiu, por ocasião do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades, duas condecorações a personalidades açorianas que se distinguiram pelas suas actividades relevantes, honrando os Açores e Portugal, anunciou ontem o gabinete do Representante da República.

Foram agraciados com a Ordem de Mérito – Grau Comendador -  as seguintes individualidades: Dr. Henrique de Aguiar Oliveira Rodrigues, natural e residente na ilha de São Miguel, médico, especialista em Medicina Interna e Cardiologia, político e investigador no âmbito da Historiografia açoriana; e Padre Manuel Garcia da Silveira, natural da ilha do Faial e residente na ilha de São Jorge, onde é Pároco Emérito da vila das Velas, professor e investigador na área do património artístico e cultural açoriano..

A imposição das insígnias será feita por delegação do Presidente da República, pelo Representante da República para a Região Autónoma dos Açores, Embaixador Pedro Catarino, em cerimónia a marcar oportunamente. 

 

Três militares condecorados

 

Três militares dos três ramos das Forças Armadas - Exército, Força Aérea e Marinha - foram domingo condecorados pelo Presidente da República na cerimónia do 10 de Junho, distinguindo o seu desempenho no exercício de funções.

A imposição das insígnias aconteceu na cerimónia militar das comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, que decorreu em Ponta Delgada.

Um dos militares distinguidos foi o coronel Matos Alves, que recebeu a Medalha de Serviços Distintos, grau Prata, pelo desempenho como segundo comandante da zona militar dos Açores, funções que exerceu durante ano e meio, até Fevereiro.

O coronel Matos Alves esteve envolvido na preparação da força que, pela primeira vez, os Açores destacaram para o Iraque. 

A força destacada, com 30 homens, está neste momento a dar formação ao exército iraquiano, em Bagdad.

O cabo adjunto mecânico de eletricidade Pintéus foi distinguido com a Medalha de Comportamento Exemplar, grau Cobre, pela “conduta moral e disciplinar patenteada ao longo do desempenho de funções no comando aéreo”, onde esteve nos últimos três anos, na esquadra de manutenção.

O primeiro sargento fuzileiro Costa Rainho foi condecorado com a Medalha de Mérito Militar de 4.ª Classe, pelo “elevado desempenho como formador na Escola de Fuzileiros”, onde prestou serviço durante três anos e fez a avaliação dos formadores do gabinete de tecnologias educativas, destacando-se pela capacidade de organização, pela atitude positiva e pela extrema disponibilidade. 

 

Marcelo recebe chave do município

 

O Presidente da República considerou que a autonomia dos Açores “fez a diferença” na vivência açoriana, mas também portuguesa, manifestando orgulho por ter votado como deputado da Assembleia Constituinte este regime de governação do arquipélago.

“Conheço os Açores há muitas décadas. Sou testemunha não de um momento, mas de um longuíssimo processo histórico só possível devido à autonomia que, tal como consagrada na Constituição, fez a diferença na vivência açoriana e, por isso, também na vivência portuguesa”, declarou Marcelo Rebelo de Sousa.

O chefe de Estado, que recebeu sábado, na Câmara Municipal de Ponta Delgada, a Chave de Honra do Município, referiu que todos os constituintes “perceberam o alcance do que estavam a votar, e eu certamente percebi”.

E Marcelo Rebelo de Sousa percebeu que este era um “processo imparável, irreversível, de virtualidades crescentes e que, longe de ser contraditório com o todo nacional em que nos integrávamos, só valorizava e enriquecia”.

As décadas que disse ter privado com os Açores e os açorianos “vieram confirmar o acerto desta visão”.

O mais alto magistrado do país declarou que mesmo antes de receber esta distinção da edilidade, que o honra e à nação, já se considerava um pontadelgadense e “beneficiário do direito” de ser visto pelos locais como um deles, porque é um “aliado, sempre incondicional”.

Para Marcelo esta “aliança que vem das afinidades afectivas, ou espirituais, não passa, uma vez criada dura até ao fim da vida”.

O Presidente da República considerou que o facto de Ponta Delgada ser a “capital de Portugal” por estes dias, uma expressão do presidente da Câmara Municipal de Ponta Delgada, José Manuel Bolieiro, é uma homenagem prestada” à cidade e, através, desta, à Região Autónoma dos Açores e a “todas e todos os açorianos”.

O Presidente da República referiu que os Açores estão “permanentemente no coração de todas e todos os portugueses”, e Ponta Delgada “de um modo muito especial”, sendo que o entrosamento vivido nestes dias “só peca por ser escasso pelo tanto que haveria a agradecer” em homenagem a “estas terras e estas gentes”.

A decisão da Câmara Municipal de Ponta Delgada, presidida pelo social-democrata José Manuel Bolieiro de atribuir a Chave de Honra do Município, a mais alta distinção honorífica municipal, ao Presidente da República Portuguesa prende-se com o facto de a cidade ser este ano sede oficial da celebração do Dia de Portugal e das Comunidades Portugueses.

De acordo com o regulamento das distinções honorificas da autarquia a Chave de Honra do Município destina-se a “galardoar titulares de órgãos de soberania nacionais ou estrangeiros e personalidades nacionais ou estrangeiras de reconhecida projeção e prestígio, que tenham desenvolvido ou desenvolvam ação meritória relacionada com o Município de Ponta Delgada ou que a ele se desloquem em visita de interesse relevante”.