Enfermeiros saem à rua amanhã na Horta e sexta em Ponta Delgada

Hospital interiorA greve dos enfermeiros continua a nível nacional, incluindo nos Açores, tendo ontem registado nos blocos operatórios do Hospital de Ponta Delgada uma adesão de 93%.

 Apesar da mundana do  Ministro da Saúde, os enfermeiros açorianos continuam “alinhados com as propostas de luta do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses”, segundo nota sindical, anunciando que os blocos operatórios dos Hospitais da Horta e de Ponta Delgada estiveram parados relativamente a cirurgia programada, e em Angra esteve a funcionar, mas abaixo dos 50% da produção prevista.

No seguimento das greves agendadas, o sindicato recorda que vão ocorrer nos Açores duas concentrações de enfermeiros:

Na Horta, dia 18, às 17h30, em frente ao edifício da Assembleia Legislativa.

Em Ponta Delgada, dia 19, às 14h30, na porta principal do Hospital do Divino Espírito Santo.

 

O balanço a nível nacional

 

Os enfermeiros regressaram ontem à greve nacional de seis dias, iniciada na semana passada.

“Hoje (ontem) concretiza-se a segunda etapa de uma greve nacional que começou no dia 10 de Outubro e que visa exigir ao Governo que apresente uma nova proposta negocial da carreira de enfermagem que vá ao encontro das expectativas dos profissionais e dos compromissos assumidos pela tutela”, afirmou Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP).

A greve arrancou às 08h00 e vai focar-se sobretudo “nos blocos operatórios e nas cirurgias de ambulatório”.

De acordo com os sindicatos, nos primeiros dias de greve –  10 e 11 de Outubro – a greve de enfermeiros teve uma adesão entre os 70 e os 75%.

Para estes dias, Guadalupe Simões prevê uma adesão ainda maior: “Seguramente agora ainda estão mais mobilizados, depois do próprio Ministério da Saúde ter assumido que as reivindicações dos enfermeiros são justas”, disse.

“Independentemente de quem é o titular da pasta, o que se espera é que o processo negocial se desenvolva rapidamente para que atinjamos o objectivo que é a entrada em vigor em Janeiro” de 2019 da carreira de enfermagem, respondeu, questionada sobre o esperado avanço das negociações com a nova Ministra da Saúde, Marta Temido.

A greve é convocada pelo Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP), pelo Sindicato dos Enfermeiros da Região Autónoma da Madeira (SERAM), pelo Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal (SINDEPOR) e pela Associação Sindical Portuguesa dos Enfermeiros (ASPE).